Foi reportado em Portugal mais 12 óbitos, 3.364 casos confirmados e 2.543 pessoas recuperadas da Covid-19 este sábado

Em Portugal foi registado mais 3.364 casos confirmados de Covid-19, 12 mortes, a lamentar, 2.543 pessoas recuperadas e mais 2.985 pessoas em vigilância ativa, nos dados referentes às últimas 24 horas divulgados pela DGS, de sábado, 27 de Novembro de 2021.

DR

O número de doentes internados continua a subir, aumentando também nos cuidados intensivos. Estamos na zona vermelha de transmissibilidade com 279,8 casos por 100 mil habitantes um valor voltou a subir, com o índice Rt a estar nos 1,19.

Novas medidas de restrição entram em vigor a partir de quarta-feira (feriado) dia 01 de dezembro de 2021, onde entramos novamente em Estado de Calamidade.


Vacina COVID-19 + GRIPE | Pedido de agendamento

Tem 75 ou mais anos mais de idade? Pode fazer o Auto agendamento da vacina aqui.
  • Em traços gerais o País chega a um total acumulado de 1.139.810 casos positivos, com os 3.364 casos confirmados nas últimas 24 horas;
  • Lisboa e Vale do Tejo voltou a ser a região com mais casos registados com cerca de 40% do total do país;
  • Recuperaram mais 2.543 pessoas da infeção, atingindo um total de 1.069.716 pessoas recuperadas do vírus Covid-19.
  • Foi registado mais 12 óbitos nas últimas 24 horas, estando com um total de 18.405 mortes devido à pandemia;
  • São mais 809 as pessoas ativas com o vírus em Portugal, estando com um total  51.689 pessoas.
  • São mais 2.985 pessoas em vigilância ativa, estando em contacto com as autoridades locais de saúde, 59-582 pessoas.
A nível dos contágios, a taxa de incidência está nos 279,8 casos de infeção por 100 mil habitantes, com o índice Rt em 1,20 a nível nacional e 280,2 casos no Continente, com índice Rt em 1,19 um valor que se manteve no sentido na incidência de contágio.

De seguida apresenta-se um gráfico evolutivo (Parcial) dos casos positivos confirmados no País:

Relativamente aos óbitos ocorridos em Portugal, a região de Lisboa e Vale do Tejo é onde existe o maior número, com um total de 7.816 (+5), seguindo-se a região Norte com 5.642 (+3), depois a região Centro com 3.247 (+1), a seguir a região do Alentejo com 1.061 (+2), depois a região Sul com 502 (+1), segue-se o arquipélago da Madeira com 89 (-) e por fim os Açores com 48 (-).

A taxa de letalidade global situa-se nos 3,40% e a taxa de letalidade acima dos 70 anos está em 5,3%, sendo neste grupo etária onde está a maior concentração do número de óbitos com 75% do total de mortes por Covid-19 a nível Nacional.

Pode confirmar no gráfico seguinte a evolução (parcial) do número diário de óbitos e a sua evolução a nível nacional:


Relativamente a doentes que estão a necessitar de cuidados hospitalares em todo o país verificamos que estão 708 (+3) pessoas em enfermarias Covid-19, destas estão 104 (+4) em Unidades de Cuidados Intensivos, dados que revelam que desceu as camas ocupadas nos Hospitais para ser feito tratamentos pelos profissionais de saúde, aumentando nos cuidados intensivos.

De seguida pode verificar um gráfico dos dados gerais nacionais anteriormente referenciados:


QUADRO DADOS NACIONAIS

Apesar de serem levantadas a maioria das restrições, o vírus ainda se encontra ativo, pelo que, todas as precauções de proteção existentes, devem de continuar a ser assimiladas e de acordo com as indicações da DGS, para que o mesmo de propague e que não seja a próxima vitima da Covid-19.
COMO SE PROPAGA?

O vírus que causa a COVID-19 transmite-se principalmente através das gotículas que são geradas quando uma pessoa infetada tosse, espirra ou expira. Estas gotículas são demasiado pesadas para ficarem suspensas no ar e depositam-se rapidamente em pavimentos ou superfícies.
Qualquer pessoa pode ser infetada ao inspirar o vírus se estiver a uma grande proximidade de alguém com COVID-19 ou tocar numa superfície contaminada e, em seguida, nos olhos, no nariz ou na boca.
A COVID-19 afeta cada pessoa de formas diferentes. A maioria das pessoas infetadas desenvolve a doença com sintomas ligeiros a moderados e recupera sem necessidade de hospitalização.

Sintomas mais comuns:
  • febre
  • tosse seca
  • cansaço
Sintomas menos comuns:
  • tensão e dores musculares
  • dores de garganta
  • diarreia
  • conjuntivite
  • dor de cabeça
  • perda de paladar ou olfato
  • irritações na pele ou descoloração dos dedos das mãos ou dos pés

PJCruz - ANF/MAF/FFA
abrantesnafrenteblog@gmail.com
Gráficos: PJ Cruz

Powered by FeedBurner

Comentários